PE Caverna do Diabo ganha reforço na monitoria ambiental

Duas entidades apresentaram propostas ao Chamamento Público N° 02/2018, da Fundação Florestal e ambas foram qualificadas

Foi assinado na quinta-feira, 21/2, na sede da Fundação Florestal, em São Paulo, Termo de Autorização de Uso para o Exercício de Monitoria Ambiental para atuação no Parque Estadual Caverna do Diabo pelas entidades Caverna do Diabo Aventura e Associação dos Monitores do Município de Eldorado – AMAMEL, que responderam ao Chamamento Público N° 02/2018, da Fundação Florestal.

Os termos foram assinados pelo diretor executivo da Fundação Florestal, Rodrigo Levkovicz, pela representante da Caverna do Diabo Aventura, Francielle dos Santos Sátiro e da AMAMEL, Olavo Pedroso da Silva Filho.

No Chamamento, a Fundação Florestal convocou entidades interessadas no exercício da atividade de monitoria ambiental nos atrativos turísticos do Parque Estadual Caverna do Diabo. Um dos maiores atrativos do Parque é a Caverna do Diabo, que oferece diversos roteiros aos visitantes: tradicional diurno e noturno, além do “salão erectus” e leito do rio.

A caverna dispõe de estruturas preparadas para o recebimento do turismo em larga escala, com sistema de iluminação, corrimões e passarelas, sendo considerada uma das maiores cavernas e uma das mais visitadas do Estado de São Paulo, com público anual de cerca de 40 mil turistas apenas no roteiro tradicional diurno. Além da Caverna do Diabo, o PECD possui outros dois atrativos turísticos: as trilhas da Cachoeira do Araçá e do Mirante do Governador. Recebe uma média de três mil visitantes/mês.

A caverna dispõe ainda de estruturas preparadas para o recebimento do turismo em larga escala com sistema de iluminação, corrimões e passarelas, sendo considerada uma das cavernas mais visitadas do estado de São Paulo, com público anual de cerca de 40 mil turistas apenas no roteiro tradicional diurno.

Além da Caverna do Diabo, o Parque possui outros atrativos turísticos como as trilhas que recebem em média três mil visitantes por mês, mas em épocas especiais como final de ano e carnaval pode chegar até 30 mil usuários.

Há atrativos no PECD que só podem ser visitados com o acompanhamento monitores ambientais, como no caso da visita à Caverna do Diabo. Já as trilhas da Cachoeira do Araçá e do Mirante do Governador são autoguiadas. Portanto, a monitoria ambiental é de fundamental importância para melhorar o atendimento da visitação no maior atrativo do PECD.

Contrapartida

As duas entidades deverão oferecer um serviço receptivo ao visitante, respeitando-se a legislação vigente sobre a atividade de monitoria ambiental nas Unidades de Conservação administradas pela Fundação Florestal. Também realizar o controle de acesso aos atrativos turísticos do PECD; realizar o controle de acesso na guarita de entrada da Caverna do Diabo; oferecer aos visitantes monitores devidamente cadastrados na UC e com conhecimento das características do PECD e vivência na região.

Deverão, também, fazer a limpeza e manutenção das áreas verdes existentes no PECD com a roçada, manutenção das trilhas e monitoramento de impacto da Caverna do Diabo. E, mais importante, garantir a segurança dos visitantes, com a manutenção das estruturas existentes (corrimões, cordas, etc.) e a confecção de placas sinalizadoras a serem implantadas nos atrativos turísticos, conforme orientação da Fundação Florestal.

Após duas décadas de reivindicações das comunidades remanescentes de quilombo do entorno do PECD, inicia um novo processo de fomento ao turismo de base comunitária, valorizando as comunidades tradicionais e a Mata Atlântica, este processo foi participativo e criado em conjunto com os atores locais, permitindo através do turismo uma nova fonte de renda para essas comunidades.