Mosaico Jureia-Itatins constata morte de macaco por febre amarela

Visitantes e população do entorno estão sendo orientados a se imunizar contra a doença

O Parque Estadual Itinguçu, componente do Mosaico Juréia-Itatins, constatou nesta semana, dia 03/03, a morte de quatro macacos na região do Rio Itinguçu. Devido ao estado avançado de decomposição, não foi possível fazer os testes que poderiam confirmar ou descartar a infecção por febre amarela. Porém, para um macaco encontrado anteriormente na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Despraiado, no município de Pedro de Toledo, o resultado foi positivo.

Diante das constatações, as equipes das seis Unidades de Conservação que compõem o Mosaico Juréia-Itatins estão em constante monitoramento de seu território, atentas ao surgimento de novos casos. A Fundação Florestal reforça a orientação da Secretaria de Saúde para que moradores e visitantes sejam imunizados. O município de Peruíbe estendeu o prazo de vacinação por tempo indeterminado.

Sobre o MUCJI
O Mosaico de Unidades de Conservação Juréia-Itatins (MUCJI) é composto por seis Unidades de Conservação (UC), sendo quatro unidades de proteção integral e duas de uso sustentável: Parques Estaduais Prelado e Itinguçu; Estação Ecológica Jureia-Itatins;  Refúgio da Vida Silvestre (RVS) das Ilhas do Abrigo e Guararitama; e as Reservas de Desenvolvimento Sustentável Barra do Uma e Despraiado.

Com vegetação predominante de floresta ombrófila densa submontana e montana, o Mosaico tem como objetivos. a preservação da natureza e a sustentabilidades das comunidades das reservas sustentáveis, bem como o desenvolvimento da pesquisa científica e do ecoturismo. A fauna da região é representada por teiús, gavião-pombo e papagaio-de-cara-roxa, entre outros. Os destaques da flora regional ficam por conta do palmito-juçara (Euterpe edulis) e o endêmico Antúrio (Anturium jureianum).

*foto: Adriana Mattoso